terça-feira, 21 de maio de 2013

30- O QUE É A FAVELA, AFINAL?







Depoimento de alguém que viveu toda a sua vida dentro de uma favela, mas que nunca foi favelado.

  O depoimento que vou dar agora é de acordo com as minhas experiências, de acordo com o que pude comprovar pessoalmente vivendo a mais de 30 anos em uma favela em São Paulo. Por isso descarto aqui qualquer sentimento de preconceito, de discriminação, de ódio ou de arrogância, falo daquilo que eu mesmo pude ver nesse tempo morando em uma favela. Falo do que eu conheço.
  Meu relato não procura rebaixar, humilhar, espezinhar, discriminar ou falar mal de quem vive nas favelas de qualquer parte do Brasil, mas dar uma visão realista do que é uma favela, e para ajudar quem vive nela, dar uma orientação pra sair da favela, mudar para uma situação, física espiritual e mental fora da realidade da favela.

André de Moraes.

  Moro a 31 anos na favela de Guaianases chamada Malvina (se bem que ela tem mais de um nome: vila 1° de Outubro, Malvina, Vila Lourdes, mas seu nome oficial é Vila Lourdes), e embora tenha vivido esse tempo todo nela nunca fui um favelado, nunca tive o pensamento que um favelado tem. Talvez ao ler esse artigo você me ache arrogante e preconceituoso, mas se você analisar de acordo com os fatos verá que o que eu falo é a pura realidade.
  Encontrarei vários que dirão que onde eu moro não é uma favela, pois as casas são todas construídas de alvenaria e não barracos de madeira. Mas o conceito favela não consiste apenas com que material as casas foram construídas, mas sim do comportamento das pessoas que moram nesse local, pois o lugar por si só não é nada a não ser um terreno com casas construídas, e se essas casas estivessem lá sem os seus moradores seria um local muito mais agradável. Quem faz do local físico uma favela são as pessoas que moram nesse local!

  O que é uma favela? Segundo o dicionário Aurélio, favela é: “s.f. Aglomeração de casebres em certos pontos dos grandes centros urbanos, construídos toscamente e desprovidos de recursos higiênicos; morada da parte mais pobre da população”.

  Já o dicionário Priberam, favela é: “s. f.
  Conjunto de edifícios, maioritariamente para habitação, de construção precária e geralmente ilegal. Lugar de má fama, sítio suspeito, freqüentado por desordeiros”.

  E no dicionário Informal.com diz: “Uma comunidade com todos os aspectos de um bairro, porém predomina o aspecto claro da dificuldade social e financeira.”



 De uns tempos pra cá a mídia, o governo, alguns sociólogos e falsos líderes comunitários, vem, a todo custo, querendo promover a favela, “glamurizar” a favela, dizendo que ela é um lugar bom pra se viver, que a favela é lugar, na sua maioria, de gente descente e trabalhadora. Os falsos heróis da televisão, como Datena, Ratinho, Xuxa, Faustão e tantos outros apresentadores de programa (um lixo em forma de programa, diga-se de passagem) procuram mostrar uma visão de favela onde a maior parte dela é boa, é legal, chegam a mostrar um lado romântico em morar numa favela. Mas isso não passa de meras lisonjas falsas e interesseiras pra elevar o seu ibope ante essa população, que é enorme no Brasil.
   E os cantores de samba, funk, aché, rap entre outros ritmos típicos da favela então? Esses cantam como é lindo morar na favela e ser favelado. Tem até aquele funk antigo que diz: “eu só quero é ser feliz, andar tranqüilamente na favela onde que eu nasci; é, e poder me orgulhar, e ter a consciência que o pobre tem seu lugar”. Esses fizeram a vida em cima da desgraça dos outros que moram e vivem numa favela, mas eles mesmos não vivem mais nesses lugares.
  Como eu disse no inicio, não ajo com preconceito ou discriminação às pessoas que moram nas favelas, mas é um alerta e uma motivação para que essas pessoas saiam desse estado físico, espiritual e mental de favelado.
  A realidade não é nada boa, a realidade é outra e é horrível, feio, sofredor e sem perspectivas.
  Uma favela é um local de pessoas excluídas da sociedade, somos considerados marginalizados pela minoria da população, e isso tem fundamento? Isso é justo? Muitas vezes é justificado sim! Digo porque: a favela é o pior lugar do mundo pra se morar, nela não há regras, não existem leis que a dirijam, não há organização, não há controle e a perspectiva de algo melhor não passa da próxima esquina.
  Numa favela encontramos tudo o que não presta com maior freqüência e quantidade. A favela é o local propicio para a propagação da violência, das drogas, do narcotráfico, da vagabundagem, dos vícios dos desprazeres da vida. Uma favela não dispõe de um ambiente saudável para o crescimento de uma criança nem de moradia para os adultos. Ela não dispõe nem das condições básicas de vida digna para o ser humano viver de acordo com qualquer lei nesse mundo e principalmente da constituição federal. Nela encontramos, com maior freqüência sentimentos ruins entre os moradores, dentre os eles a raiva, a inveja, a tristeza, a amargura, sensação de rejeição, baixa auto-estima, fracasso, entre outros. Pois, como não sentir raiva e um lugar onde a falta de água é constante, onde a energia elétrica é precária? Onde pra se chegar ao ponto de ônibus mais próximo deve-se andar muito e sujar os pés de lama? Como não sentir tristeza e amargura onde a sujeira e desleixo fazem subir o cheiro azedo e podre de carniça de cachorro morto e lixo em putrefação? Como não se sentir rejeitado quando em uma entrevista de emprego você vê nitidamente que o entrevistador te excluiu da vaga por você morar muito longe ou às vezes não ter um endereço oficial? É difícil ter uma auto-estima alta em um lugar que só te põe pra baixo com um visual triste, decadente, cheirando a mofo e cachaça derramada nas mesas e calçadas dos botecos. 


  A favela estimula as pessoas a isso, a favela só pode te levar a se sentir assim!
  E sem essa de dizer que a favela é uma comunidade, pois as favelas nunca foram e nunca serão comunidades. Sabe porque? Porque comunidade é isso: “s.f. Estado do que é comum; paridade (igualdade); comunhão, identidade: comunidade de sentimentos.
Sociedade religiosa submetida a uma regra comum.
Sociologia Agrupamento social que se caracteriza por acentuada coesão (a força que une) baseada no consenso espontâneo dos indivíduos que o constituem”.

  Quando uma favela foi ou é isso? Nunca! E nunca será! Na favela o sentimento de individualismo é enorme e selvagem. Onde cada um quer ter mais que o outro e o pior de tudo: esfregar isso na cara dele.

  Exemplo disso é quando uma pessoa compra algo para si. Ela não compra porque precisa ou simplesmente porque quer, mas para se mostrar, pra provar para o outro favelado que ele tem e o outro não. Compra um carro com mil prestações só pra dar volta na vila (esses são os que eu chamo de pilotos de vila).

  Comunidade é quando todos isso mesmo “todos”, estão de acordo para resolver um problema comum, pra encontrar a solução que venha beneficiar a todos e não uma só pessoa ou um grupinho em especial.

  Em uma comunidade de verdade a ajuda mútua está à flor da pele. O contrário da favela que o bem estar e privilégio próprio é o que comanda. Se um dia a favela tivesse sido uma comunidade todos os seus problemas já teriam sido resolvidos.
 
  Os apresentadores, cantores, atores e a classe chamada de “famosos” procuram ao máximo glamurizar a favela porque depende dela pra ganhar seu salário, mas fora esse motivo a favela e os favelados são ridicularizados e menosprezados como no caso da socialyte Narcisa Tamborindeguy que se divertia jogando ovos nas pessoas que passavam na calçada de seu prédio.

  Estes mesmos “famosos” que tanto glamurizam as favelas, não são capazes, de ao menos, incitar os próprios favelados a se rebelarem contra o sistema que os obriga a viver dessa forma.

Morando na favela esse tempo todo pude ver o quanto o favelado é ridículo, nojento, arrogante, orgulhoso, prepotente, sem razão, injusto, criminoso, corrupto, bagunceiro, desordeiro, sem acato a leis, sem respeito ao próximo, sem direitos (pois não obedece a regras), sem noção da realidade do mundo e do meio em que ele mesmo vive, ignorante, manipulativo, pobre de idéias e ideais, contente com o mínimo, fácil de se enganar... meu Deus! São tantos os adjetivos que posso encontrar que me perco entre eles.

  Embora na favela não exista uma comunidade cada um quer cuidar da vida alheia, deixando de lado a própria vida e mergulhando cada vez mais na lama que é a favela.
 
  A favela é um mundo sem lei, sem regras, sem governos, sem termos ou limites. É nela que toda forma de crime nasce, cresce e se desenvolve para se alastrar para toda a cidade e país. Não é delas que saem os bandidos nos semáforos? Não é delas que saem os seqüestradores e não é nelas onde ficam os cativeiros? Nela estão o Q.G’s. do crime e seus líderes morando, muitas das vezes, em suntuosas mansões. Nela toda sorte de bandidagem se esconde e onde a justiça não alcança. E os moradores por sua vez sabendo de tudo isso, na sua grande maioria compactua com crimes ou no máximo se omite deixando de, pelo menos, dar um telefone e denunciar um carro roubado. E isso fazem se justificado da maneira mais baixa e pobre possível: “não é meu mesmo, não to nem aí!”. Se esquecem que o dinheiro do roubo do carro em sua rua pode ser o financiamento da sua morte amanhã.

  Como educar os filhos em algumas horas se ele passa a maior parte do tempo tendo exemplos como esses o dia inteiro? Como garantir que seus filhos venham ter um futuro longe das drogas e da criminalidade se os bandidos fazem “boca de fumo” na sua porta?

  Muitos tentam se justificar dizendo que não tem pra onde ir. Mas como não? Se já moram precariamente na favela porque não morar precariamente, mas em segurança em um bairro melhor? Se o filho de alguém na favela se tornou bandido a culpa, na sua maioria, são dos pais que permitiram ele viver em um ambiente como esse.



  E as escolas? As piores possíveis, pois devem se contentar com escolas públicas abandonadas pela prefeitura e pelo governo estadual. Nela se concentram a nata dos bandidos mirins que mais cedo possível se tornarão os adultos criminosos de nossa cidade.

  A favela não é, nunca foi e nunca será um lugar bom pra morar. Lá não é lugar pra se fazer uma “história de contos de fada”, é um lugar de vida difícil que por mais que aja momentos felizes, alegres e memoráveis, não deixa de ser um péssimo lugar para se morar e criar seus filhos.

  Por causa de uma favela as pessoas perdem oportunidades, ficam isoladas do melhor que a vida o país pode oferecer, as boas oportunidades passam longe dela.

  E o favelado? O que é um favelado? Esse com toda certeza é o pior ser que existe! O favelado é o pobre, e gente pobre é uma desgraça! Desculpa a forma de falar, mas é a verdade!

  Vamos diferenciar o pobre e favelado para as pessoas normais de baixa renda: uma pessoa de baixa renda é uma pessoa que, como a própria palavra diz, tem baixa renda, ou seja, tem pouco dinheiro, ganha pouco. Mas isso não faz dela uma pessoa pobre ou favelada. Ela embora more na favela não participa da favela, ela está dentro da favela, mas não faz parte dela. O que a faz morar ali é o fato de não ter dinheiro suficiente pra sair de lá. Esse tipo de pessoa é uma pessoa normal e contra ela não há o que falar.

  Já o favelado é um ser repugnante! Esse é o que mais temos nas favelas do Brasil. Suas características são claras e fáceis de se identificar. Mas, embora essas são as características de um favelado, pessoas não faveladas podem ter uma ou mais características dessas sem serem faveladas! Mas por viverem em meio aos favelados acabam absorvendo alguns defeitos dessa classe.

  Um favelado é basicamente um ser que passa uma imagem a qual ele não é! Embora não tenha dinheiro ele faz de tudo pra passar uma imagem de que tem dinheiro; o favelado é ‘8 ou 80”, tem baixa auto-estima ou um ego inflado. O favelado tem tanta baixo estima que ele prefere usar marcas famosas, e pra que isso? Pra tentar transferir o valor das marcas pra ele. Ele acha que usando as marcas vai ficar valorizado ou que as pessoas vai achar que ele é alguém importante só porque tem condições de comprar algo caro. Ridículo! Ele nem mesmo tem dinheiro suficiente pra comprar o tal objeto de marca, por isso parcelou em 12 vezes sem juros. E quando compra a vista gasta todo o seu salário!

  O favelado não tem uma visão ampla dos acontecimentos no mundo, seu mundo é apenas a favela e o que acontece nela. Tudo o que acontece fora dela lhe é estranho, incompreensível e sem interesse! Loucura! Como se as coisas que acontecem no mundo não influenciasse a todos, até mesmo (principalmente) os da favela.
  O favelado não procura se informar, não procura ter opiniões independentes dos meios de comunicações, isso é algo cansativo e desgostoso para ele. Para o favelado o importante é saciar seus desejos momentâneos, que por sua vez são baratos e fáceis de se adquirir.

  Esse ser não respeita as pessoas a sua volta, não se importa em obedecer a leis e regras importantes para a organização e controle, para ele o lema é: “é tudo nosso!”. E nesse “tudo nosso” ele não se importa com os direitos alheios. Por isso ligam seus aparelhos de som e tocam todo tipo de som, ou ruído, horrível como o funk, sem a menor importância se está ou não importunando os vizinhos. 

  O favelado é um ser vagabundo, porém deseja, como se fosse seu direito natural e o exige com todo afinco, que a vida lhe dê tudo do bom e do melhor: emprego com salário alto, carro do ano, casa boa, roupa de marca etc. E quando isso não acontece o favelado sai às ruas para roubar de pessoas descentes, honestas e trabalhadoras. Ele se sente injustiçado!

  O favelado é um ser que cria dentro de sua cabecinha um mundo miserável a tal ponto que pra ele existe uma muralha de pedras gigantes, intransponíveis entre eles e os bairros de pessoas normais. Isso tanto é verdade que muito raramente um favelado sai da favela e vai pra um teatro, um cinema, um shoping, shows, ou até regiões mais nobres as quais são livres a todos! Os favelados se sentem um peixe fora d’água não suportando permanecer por muito tempo.

  O favelado também não suporta o silêncio e a paz de ambiente, ele se sente incomodado com esse estado, pois já se acostumou com a desorganização, a bagunça, o barulho e maloca. 

  Talvez até aqui você esteja enojado com minhas palavras, mas se você não mora em uma favela então vá morar lá e verá que o que estou escrevendo é a mais pura realidade.

  Vejo que os males que se encontram aos montes nas favelas são criados pelos próprios favelados que se negam a mudar seus comportamentos para assim obter resultados melhores e ter uma vida boa e satisfatória. O poder de mudar as coisas está nas mãos deles, mas eles não querem, já estão acostumadas com isso, as situações da favela entorpeceram, cauterizaram as suas mente e dificilmente sairão dela.

  Esse discurso que faço aqui não é bem quisto, não é de bom agrado aos ouvidos da maioria, mas é a verdade e deve ser dita ao invés de se bajular essa gente.
  Semanas atrás o jornalista Arnaldo Jabor soltou as seguintes palavras sobre os favelados do Brasil:




- Brasileiro é um povo solidário. Mentira. Brasileiro é babaca.
Eleger para o cargo mais importante do Estado um sujeito que não tem escolaridade e preparo nem para ser gari, só porque tem uma história de vida sofrida;
Pagar 40% de sua renda em tributos e ainda dar esmola para pobre na rua ao invés de cobrar do governo uma solução para pobreza;
...Aceitar que ONG's de direitos humanos fiquem dando pitaco na forma como tratamos nossa criminalidade. ..
Não protestar cada vez que o governo compra colchões para presidiários que queimaram os deles de propósito, não é coisa de gente solidária.
É coisa de gente otária.

- Brasileiro é um povo alegre. Mentira. Brasileiro é bobalhão.

Fazer piadinha com as imundices que acompanhamos todo dia é o mesmo que tomar bofetada na cara e dar risada.
Depois de um massacre que durou quatro dias em São Paulo, ouvir o José Simão fazer piadinha a respeito e achar graça, é o mesmo que contar piada no enterro do pai.
Brasileiro tem um sério problema.
Quando surge um escândalo, ao invés de protestar e tomar providências como cidadão, ri feito bobo.

- Brasileiro é um povo trabalhador. Mentira.

Brasileiro é vagabundo por excelência.
O brasileiro tenta se enganar, fingindo que os políticos que ocupam cargos públicos no país, surgiram de Marte e pousaram em seus cargos, quando na verdade, são oriundos do povo.
O brasileiro, ao mesmo tempo em que fica indignado ao ver um deputado receber 20 mil por mês, para trabalhar 3 dias e coçar o saco o resto da semana, também sente inveja e sabe lá no fundo que se estivesse no lugar dele faria o mesmo.
Um povo que se conforma em receber uma esmola do governo de 90 reais mensais para não fazer nada e não aproveita isso para alavancar sua vida (realidade da brutal maioria dos beneficiários do bolsa família) não pode ser adjetivado de outra coisa que não de vagabundo.
- Brasileiro é um povo honesto. Mentira.

Já foi; hoje é uma qualidade em baixa.
Se você oferecer 50 Euros a um policial europeu para ele não te autuar, provavelmente irá preso.
Não por medo de ser pego, mas porque ele sabe ser errado aceitar propinas.
O brasileiro, ao mesmo tempo em que fica indignado com o mensalão, pensa intimamente o que faria se arrumasse uma boquinha dessas, quando na realidade isso sequer deveria passar por sua cabeça.


- 90% de quem vive na favela é gente honesta e trabalhadora. Mentira..

Já foi.
Historicamente, as favelas se iniciaram nos morros cariocas quando os negros e mulatos retornando da
Guerra do Paraguai ali se instalaram.
Naquela época quem morava lá era gente honesta, que não tinha outra alternativa e não concordava com o crime.
Hoje a realidade é diferente.
Muito pai de família sonha que o filho seja aceito como 'aviãozinho' do tráfico para ganhar uma grana legal.
Se a maioria da favela fosse honesta, já teriam existido condições de se tocar os bandidos de lá para fora, porque podem matar 2 ou 3 mas não milhares de pessoas.
Além disso, cooperariam com a polícia na identificação de criminosos, inibindo-os de montar suas bases de operação nas favelas.

- O Brasil é um pais democrático.. Mentira.

Num país democrático a vontade da maioria é Lei.
A maioria do povo acha que bandido bom é bandido morto, mas sucumbe a uma minoria barulhenta que se apressa em dizer que um bandido que foi morto numa troca de tiros, foi executado friamente.
Num país onde todos têm direitos mas ninguém tem obrigações, não existe democracia e sim, anarquia.
Num país em que a maioria sucumbe bovinamente ante uma minoria barulhenta, não existe democracia, mas um simulacro hipócrita.
Se tirarmos o pano do politicamente correto, veremos que vivemos numa sociedade feudal: um rei que detém o poder central (presidente e suas MPs), seguido de duques, condes, arquiduques e senhores feudais (ministros, senadores, deputados, prefeitos, vereadores).
Todos sustentados pelo povo que paga tributos que têm como único fim, o pagamento dos privilégios do poder. E ainda somos obrigados a votar.

Democracia isso? Pense !

O famoso jeitinho brasileiro.
Na minha opinião, um dos maiores responsáveis pelo caos que se tornou a política brasileira.
Brasileiro se acha malandro, muito esperto.
Faz um 'gato' puxando a TV a cabo do vizinho e acha que está botando pra quebrar.
No outro dia o caixa da padaria erra no troco e devolve 6 reais a mais, caramba, silenciosamente ele sai de lá com a felicidade de ter ganhado na loto.... malandrões, esquecem que pagam a maior taxa de juros do planeta e o retorno é zero. Zero saúde, zero emprego, zero educação, mas e daí?
Afinal somos penta campeões do mundo né?
Grande coisa...

O Brasil é o país do futuro.
Caramba , meu avô dizia isso em 1950. Muitas vezes cheguei a imaginar em como seria a indignação e revolta dos meus avôs se ainda estivessem vivos.
Dessa vergonha eles se safaram...
Brasil, o país do futuro !?
Hoje o futuro chegou e tivemos uma das piores taxas de crescimento do mundo.

Deus é brasileiro.
Puxa, essa eu não vou nem comentar".

  Então pra você que não é favelado, ou é e quer deixar de ser só resta uma coisa a fazer, praticar o velho ditado: "os incomodados que se mudem!". Pois morando numa favela você jamais deixará de ser um favelado ou terá uma vida de paz.

domingo, 5 de maio de 2013

29- ATAQUE VIOLENTO ÁS NOSSAS CRIANÇAS! CUIDADO! VEJAM! AS NOSSAS CRIANÇAS ESTÃO EM PERIGO!



SERÁ QUE VC, QUE FAZ PARTE DA IGREJA DE CRISTO, VAI FICAR DE BRAÇOS CRUZADOS ENQUANTO ISSO ACONTECE? ENQUANTO O GOVERNO ACABA COM O FUTURO DE NOSSOS FILHOS E CRIANÇAS?
  SÓ UM COMPLETO COVARDE PODE PERMITIR ISSO!
   SE VOCÊ É PASTOR, PELO AMOR DE DEUS, REPASSE ESSE VIDEO PARA SEUS MEMBROS. NÃO ADIANTA ORARMOS PARA ELES NA IGREJA EM 5 MINUTOS SE ELES PASSARÃO 4 HORAS NAS ESCOLAS APRENDENDO ESSE LIXO TODO!
VAMOS AGIR E LUTAR CONTRA ESSA PRAGA TODA IGREJA!