terça-feira, 29 de março de 2016

CORONEL REVELA QUAL A FUNÇÃO DO BRASIL NA NOVA ORDEM MUNDIAL!

CORONEL ÊNIO FONTENELLE, EX SNI (SERVIÇO NACIONAL DE INFORMAÇÃO), EXPLICA O PAPEL DO BRASIL NO CENÁRIO DA NOVA ORDEM MUNDIAL, O PORQUE DELA E QUAL O GRUPO QUE ESTÁ IMPEDINDO SUA IMPLEMENTAÇÃO: OS CRISTÃOS! E QUE POR ISSO ELES SERÃO PERSEGUIDOS!
O CORONEL DIZ QUE OS ROCKEFELLERS QUEREM SUBSTITUIR OS DEZ MANDAMENTOS PELA "CARTA DA TERRA" (QUE ESTÁ RESUMIDA NAS PEDRAS GUIAS DA GEÓRGIA), QUE O AQUECIMENTO GLOBAL É UMA MENTIRA E O FIM DE TODAS AS RELIGIÕES NO MUNDO!
QUE A RÚSSIA TERMINOU DE CONSTRUIR UM ABRIGO ANTI ATÔMICO NOS MONTES URAIS EM 2914




TUDO O QUE ESSE CORONEL FALA NA ENTREVISTA CONFIRMA AS PROFECIAS BÍBLICAS!

SE PREPAREM PARA O PIOR!



terça-feira, 22 de março de 2016

AS PROFECIAS BÍBLICAS ESTÃO SENDO CUMPRIDAS NAS NOTÍCIAS DO DIA-A-DIA



http://geracaodafigueira.blogspot.com.br/2014/01/as-profecias-biblicas-estao-sendo.html


"Igualmente, quando virdes todas estas coisas, sabei que ele está próximo, às portas." Mateus 24:33
O Senhor Jesus Cristo disse solenemente que os santos que vivessem na época do fim dos tempos deveriam observar as notícias diárias, pois os eventos cumpririam muitas das profecias bíblicas que ele proferiu, de forma que as pessoas se conscientizariam do tempo em que vivem.
Vamos revisar algumas dessas profecias:
 "E te derrubarão, a ti e aos teus filhos que dentro de ti estiverem, e não deixarão em ti pedra sobre pedra, pois que não conheceste o tempo da tua visitação." Lucas 19:44
  Jesus também espera que saibamos o tempo de sua segunda visitação, e tal conhecimento virá por meio das notícias diárias, conforme ele predisse em Mateus 24. Ele nos dá os eventos das notícias diárias como termômetros pelos quais saberemos que o fim dos tempos está se aproximando!
 "Buscai no livro do SENHOR, e lede; nenhuma dessas coisas faltará, ninguém faltará com a sua companheira..." Isaías 34:16
Dessa forma, os cristãos no fim dos tempos devem prestar atenção aos eventos da época em que vivem! Devemos estar atentos às muitas situações em que os eventos cumprem a profecia bíblica, e devemos avisar os outros para que vejam e acreditem. Vejamos algumas profecias cumpridas ou cumprindo-se em nossos dias:
1) Renascimento de Israel como nação: "Porque, eis que naqueles dias, e naquele tempo, em que removerei o cativeiro de Judá e de Jerusalém..." Joel 3:1 — cumprida em 15/5/1948; Uma vez que Israel esteja de volta à sua terra, todas as profecias do fim dos tempos começarão a ser cumpridas;
2) Todas as nações são chamadas ao Oriente Médio: "Congregarei todas as nações, e as farei descer ao vale de Jeosafá [Oriente Médio]; e ali com elas entrarei em juízo, por causa do meu povo, e da minha herança, Israel, a quem elas espalharam entre as nações e repartiram a minha terra." Joel 3:2 
 Que tipo de julgamento Deus tem em mente? Veja: "Preparai a guerra"! Não devemos esperar a paz, mas apenas a guerra, depois que Israel voltar à sua terra. Jesus disse, em Mateus 24, que os sinais que acompanharão o nascimento tanto de Israel como do Anticristo serão "de guerras e de rumores de guerras... se levantará nação contra nação, e reino contra reino..." [Mateus 24:6-7].

3) Tempos trabalhosos  "... nos últimos dias sobrevirão tempos trabalhosos. Porque haverá homens amantes de si mesmos, avarentos, presunçosos, soberbos, blasfemos, desobedientes a pais e mães, ingratos, profanos, sem afeto natural, irreconciliáveis, caluniadores, incontinentes, cruéis, sem amor para com os bons, traidores, obstinados, orgulhosos, mais amigos dos deleites do que amigos de Deus..." 2 Timóteo 3:1-4
4) Popularização das  diversas formas  de satanismo
 "Mas, no fim do seu reinado, quando acabarem os prevaricadores, se levantará um rei, feroz de semblante, e será entendido em adivinhações. E se fortalecerá o seu poder, mas não pela sua própria força... E pelo seu entendimento também fará prosperar o engano na sua mão..." Daniel 8:23-25
Essa é a descrição perfeita de um feiticeiro de magia negra. O Anticristo será um praticante da feitiçaria de magia negra. Assim sendo, podemos esperar que todos os satanistas, no fim dos tempos, estejam seguindo de perto o espírito do Anticristo, que os levará à feitiçaria de magia negra. 
5) Terrorismo
 
 "E haverá em vários lugares grandes terremotos, e fomes e pestilências; haverá também coisas espantosas, e grandes sinais do céu... Homens desmaiando de terror, na expectação das coisas que sobrevirão ao mundo..." Lucas 21:11, 26
Você pescou a frase "Homens desmaiando de terror"? Há alguma dúvida de que estamos lutando uma guerra contra o terrorismo global? Os noticiários estão realmente repletos de profecias bíblicas sendo cumpridas.
6) Pestes
 "E olhei, e eis um cavalo amarelo, e o que estava assentado sobre ele tinha por nome Morte; e o inferno o seguia; e foi-lhes dado poder para matar a quarta parte da terra, com espada, e com fome, e com peste, e com as feras da terra." Apocalipse 6:8
 
Nessa guerra global contra o terror, não devemos estar surpresos que um dos males contra os quais lutamos seja a peste. Além disso, estamos agora ouvindo falar a respeito de uma doença verdadeiramente mortal se aproximando, a varíola, que tem o potencial de matar dezenas de milhões de pessoas. Os laboratórios de guerra biológica norte-americanos, russos, chineses, iraquianos e de outras nações, produziram estoques mortais que podem matar um quarto da população mundial. A peste mortal parece estar simplesmente surgindo no horizonte.
7 – Vigilância e Controle Global
 
A seguinte profecia bíblica retrata as diversas facetas do controle rígido do Anticristo:
"E faz que a todos, pequenos e grandes, ricos e pobres, livres e servos, lhes seja posto um sinal na sua mão direita, ou nas suas testas, para que ninguém possa comprar ou vender, senão aquele que tiver o sinal, ou o nome da besta, ou o número do seu nome... e o seu número é seiscentos e sessenta e seis." Apocalipse 13:16-18
 Essa profecia não nos diz apenas que a marca da besta será criada em torno do '666', mas também que o reino do Anticristo será uma ditadura absoluta, terrível e extremamente eficiente. Não somente poderá esse governo controlar cada pessoa economicamente, mas poderá também controlar cada cidadão de forma muito rígida e opressiva. A vigilância será tão eficaz que nenhum cidadão poderá comprar ou vender coisa alguma, em lugar algum, a não ser que aceite a marca da besta.
8) Doenças mortais
"E haverá em vários lugares grandes terremotos, e fomes e pestilências; haverá também coisas espantosas, e grandes sinais do céu... Homens desmaiando de terror, na expectação das coisas que sobrevirão ao mundo..."Lucas 21:11, 26
 
Fonte: www.espada.eti.br (resumido do original)

segunda-feira, 21 de março de 2016

TODOS SÃO LADRÕES! Revista mostra registros de pagamento a Gilmar Mendes pelo mensalão do PSDB


Revista mostra registros de pagamento a Gilmar Mendes pelo mensalão do PSDB

Reportagem da  "Carta Capital" começou a circular na tarde desta sexta-feira em São Paulo

Marcelo Auler
A Revista Carta Capital que chegou às bancas de jornais de São Paulo na tarde desta sexta-feira (27) tumultuará todo o ambiente que vem sendo milimetricamente preparado para o julgamento do famoso caso do Mensalão. Ela apresenta documentos que indicariam que o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, quando era Advogado Geral da União (AGU), em 1998, teria recebido R$ 185 mil do chamado Mensalão do PSDB, que foi administrado pelo publicitário Marcos Valério.
Reportagem da 'Carta Capital' com documentos levantados pelo jornalista Maurício Dias
Reportagem da 'Carta Capital' com documentos levantados pelo jornalista Maurício Dias
Em um trabalho do jornalista Maurício Dias, a revista obteve o que seria a contabilidade paralela da campanha do atual senador Eduardo Azeredo, em 1998, quando ele concorreu à reeleição ao governo de Minas Gerais. As folhas, encadernadas, levam a assinatura de Valério. Alguns dos documentos têm firma reconhecida. No total, esta contabilidade administrou R$ 104,3 milhões. Houve um saldo positivo de R$ 69,53. A reportagem teve a contribuição também do repórter Leandro Fortes, que foi a Minas Gerais.
Nesta contabilidade também aparece a captação de recursos via empréstimos do Banco Rural, tal como aconteceu no chamado Mensalão do PT. Mas não foi o único banco a emprestar dinheiro para a campanha do tucano. Também contribuíram o BEMGE, Credireal, Comig, Copasa e a Loteria Mineira. No total, via empréstimos bancários, foram captados R$ 4,5 milhões, valor um pouco maior do que o registro da mais alta doação individual, feita pela Usiminas. Ela, através do próprio Eduardo Azeredo e do vice governador Walfrido Mares Guia, doou R$ 4.288.097. O banco Opportunity, através de seu dono, Daniel Dantas, e da diretora Helena Landau, pelos registros, doou R$ 460 mil.
As dez primeiras páginas do documento apresentam os doadores para a campanha. As demais 16 páginas relacionam as saídas de recursos. O registro em nome de Gilmar Ferreira Mendes surge na página 17. Procurado através da assessoria de imprensa do Supremo Tribunal Federal, o ministro Gilmar Mendes não retornou ao Jornal do Brasil.
Lista apresenta registro de suposto pagamento a Gilmar Mendes quando era advogado geral da União
Lista apresenta registro de suposto pagamento a Gilmar Mendes quando era advogado geral da União
Toda a documentação registrada aparece em papel timbrado da agência publicitária SMP&B Comunicação, de propriedade de Marcos Valério. Esta contabilidade paralela foi assinada pelo publicitário mineiro, embora seja datada de 28 de março de 1999, só teve a firma dele reconhecida no cartório do 1º Ofício de Belo Horizonte.

COMO BOICOTAR A REDE GLOBO.

O boicote não funciona se só pedir para as pessoas “trocarem de canal”; ele é mais eficiente se afetar os negócios de quem anuncia na mídia.

boicote globoOpinião – Rafael Bruza
Dizem que a marca comanda a mídia e a mídia manda no povo. É algo bastante coerente, pois a sociedade realmente tem pouco poder direto sobre a imprensa.
Aliás, é graças a essa situação que os boicotes a Rede Globo que pedem para cidadãos “desligarem a TV” ou “trocarem de canal” são infrutíferos.
As pessoas continuam vendo BBB ou Jornal Nacional e nada muda. O que fazer, então?
Simples: podemos lembrar que nessa lógica dita acima, falta um detalhe: o povo, através de seu padrão de consumo e escolhas, manda na marca, mesmo que não tenha muita consciência disso.
E, mandando em quem manda na mídia, a sociedade faz o que quiser com qualquer meio de comunicação.
Pensem bem: todo conglomerado de mídia se financia através de anunciantes que colocam dinheiro e publicidade em veículos de imprensa.
Sem essa grana, os conglomerados de mídia vão a falência. Ponto. Por isso até mesmo o jornalismo tem menos importância que as intenções dos anunciantes.
São eles que colocam a grana na mídia, então eles que mandam.
Sendo assim, o boicote perfeito a Rede Globo não deve ser feito diretamente a emissora, mas aos anunciantes que colocam dinheiro e publicidade nesse conglomerado.
Ou seja, a sociedade nada conseguirá boicotando a Globo ou exigindo o cancelamento de sua concessão, pois essa convocatória não aparecerá na imprensa, não ganhará repercussão e tende a fracassar rapidamente.
Mas se uma quantidade mínima de cidadãos boicotarem empresas que anunciam no conglomerado dos Marinhos, terão controle direto sobre as marcas anunciantes e, portanto, mandarão indiretamente na mídia.
Para isso, só é preciso de (1) uma lista de quais empresas anunciam no horário nobre da emissora, que é o mais caro da televisão nacional e (2) incentivar as pessoas a não comprarem os produtos dessas empresas através de uma campanha midiática coerente. Pronto.
Se os anunciantes perceberem que a publicidade feita no horário nobre da Rede Globo é negativa para seus negócios, não anunciarão mais lá, pois a verba gasta em publicidade não seria mais rentável.
E então a mídia será obrigada a realizar mudanças para agradar a sociedade e as marcas anunciantes, de forma que deixe de perder dinheiro com a insatisfação social gerada por sua conduta moral.
Dou um exemplo prático.
Vamos supor que Natura, BMW, e Itaú fizeram anúncios nos intervalos do Jornal Nacional.
A convocatória de boicote faz uma lista desses anunciantes e incentiva as pessoas a não comprarem produtos dessas empresas só porque elas deram dinheiro para a Rede Globo.
Se a sociedade seguir minimamente essa campanha contra as empresas, o boicote estará pronto.
Imagine como a diretoria dessas multinacionais receberia a notícia de que o público alvo almejado boicotou seus produtos pelo anúncio feito no Jornal Nacional.
Eles ficariam desesperados por terem invertido milhões em uma publicidade que foi negativa para sua imagem/vendas!
E ao não ver eficiência em anunciar na Rede Globo, a emissora perderá uma de suas principais fontes de financiamento.
É um boicote simples, efetivo e fatal.
A Espanha foi palco de uma campanha desse tipo, feito em 2012 por apenas um blogueiro, chamado Pablo Herrerra.
O alvo foi a emissora de televisão Telecinco, da poderosa Mediaset, um conglomerado de mídia italiano dono de enormes canais de televisão comerciais da Europa.
Na época, a Espanha estava comovida pelo suposto assassinato da jovem Marta del Castillo, que desapareceu em Sevilha e nunca foi encontrada.  Entre os suspeitos do crime estavam o ex-namorado da jovem e um amigo dele conhecido como “El Cuco”.
Seguindo a linha de enorme interesse midiático que o caso despertava, a emissora Telecinco pagou a mãe do jovem El Cuco para realizar uma entrevista no programa “La Noria”, transmitida no horário nobre da televisão espanhola.
Pablo Herrera ficou indignado que com a informação de que a principal emissora do país pagou a mãe de um criminoso para realizar tal entrevista. Foi então que ele criou e difundiu na Internet um movimento de boicote aos anunciantes da Telecinco.
Diariamente o jornalista listava quais anunciantes colocaram publicidade no “La Noria” e pedia para que os cidadãos não comprassem seus produtos. A campanha, portanto, não era contra a emissora, mas sim contra quem anunciava nela.
O resultado?
TODAS as anunciantes do programa deixaram de colocar publicidade nesse horário da grade e o “La Noria” teve que ser cancelado diante da repercussão do caso.
A emissora processou o jornalista alegando que ele realizava ameaças e coações aos responsáveis pelo programa. Pediu 3,7 milhões de euros e 3 anos de prisão a Herrera.
Mas o blogueiro foi inteligente: sabendo do apoio que recebia da opinião pública, ampliou sua campanha pedindo para que os cidadãos não comprassem nenhum produto de nenhum programa da Telecinco até que a emissora retirasse o processo contra ele.
E a causa cresceu ainda mais.
Telecinco desistiu do processo e reconheceu em nota a “liberdade dos anunciantes para gerir suas ações de publicidade”. E pronto.
Pablo Herrera conseguiu seu objetivo de cancelar o programa e evitar que qualquer outro canal de TV pague parentes de suspeitos para realização de entrevistas. Teve sucesso no boicote.
O caso serve de exemplo para o Brasil.
Quem quiser boicotar a Globo não tem alternativa a não ser a realização de companhas contra quem anuncia na emissora. É a única forma de afetar o financiamento de grupos de mídia, que é prioridade e o tendão de Aquiles de qualquer empresa de comunicação.
Falta, claro, colocar a mão na massa.
 

AGRADEÇO AO LEITOR "EMÍLIO" QUE NOS DEU UMA LISTA DOS PRINCIPAIS PATROCINADORES DESSA REDE BANDIDA DE TELEVISÃO.
AGORA CABE A CADA UM DE NÓS BOICOTARMOS AS MARCAS E DIZER À TODOS O PORQUE  DISSO: POR APOIAR A BANDIDA REDE GLOBO E AJUDÁ-LA A ACABAR COM NOSSA NAÇÃO!

Gastos com publicidade no Brasil crescem 0,8% no 1º semestre

Investimento publicitário se mantém em 2015, aponta Ibope Media.
Genomma, Via Varejo e Unilever lideram lista de maiores anunciantes.

Do G1, em São Paulo
Os gastos com publicidade no país somaram R$ 60,1 bilhões no 1º semestre de 2015, o que corresponde a um valor 0,8% maior ao registrado nos seis primeiros meses de 2014, segundo dados divulgados nesta segunda-feira (27) pelo Ibope Media, a partir de pesquisa regular de monitoramento dos investimentos nos principais meios de comunicação e mercados do país.
"Sem o apelo comercial que o Mundial de Futebol proporcionou na primeira metade do ano passado e com um mercado anunciante mais cauteloso, os investimentos publicitários realizados no 1º semestre de 2015 se mantiveram estáveis e permaneceram no mesmo patamar de 2014", destacou o Ibope em seu relatório.
Apesar dos investimentos se manterem estáveis, ocorreram inversões no ranking de maiores anunciantes. Pela primeira vez, uma empresa do segmento de varejo ou de bens de consumo não aparece na liderança.
Maiores anunciantes
Durante o 1º semestre de 2015, o laboratório mexicano Genomma (do segmento de Higiene Pessoal, Beleza e Farmacêutica) foi o maior anunciante do país, acumulando R$ 2,13 bilhões de investimentos em mídia, um crescimento de 34% em relação ao ano anterior, segundo o Ibope. Em 2014, neste mesmo período, o anunciante ocupou a terceira posição.
A Via Varejo, dona das redes Casas Bahia e Ponto Frio, foi a segunda maior anunciante nos primeiros seis meses do mês, com R$ 2,11 bilhões em mídia, uma alta de 4% em comparação com o mesmo período do ano anterior.
A Unilever, que ocupava a primeira posição em 2014, totalizou R$ 1.93 bilhões de investimento, uma queda de 21% em relação ao 1º semestre de 2014.
Na sequência, aparecem Hypermarcas e Caixa. Completam o top 10 de maiores anunciantes: Ambev, Petrobras, telefonica, Fiat e Itaú.
Entre os 30 maiores anunciantes, destaque também para empresas que estavam ausentes no ranking anterior, como o Boticário, JBS e  BRF Brasil Foods. Estas duas últimas tem travado este ano batalha pela conquista dos consumidores no setor de alimentos processados.
No ranking de setores, Comércio e Varejo segue na liderança, representando 19% dos investimentos destinados em mídia (R$ 11,6 bilhões). Em seguida, aparece o setor de Serviços ao Consumidor, com R$ 6,39 bilhões e o de Higiene Pessoal e Beleza, com R$ 6,36 bilhões.
Levantamento do Ibope lista os 30 maiores anunciantes no 1º semestre no brasil (Foto: Divulgação)Levantamento do Ibope lista os 30 maiores anunciantes no 1º semestre no brasil (Foto: Divulgação)
Meios
Entre os meios monitorados, a TV aberta segue com a maior fatia do bolo publicitário, com R$ 33,1 bilhões. Somados os investimentos destinados ao merchandising, o meio obteve 60% de participação no total investido no período, seguido por jornal (13%) e pela TV por assinatura (10%).
Os investimentos em formatos display na internet alcançaram 7% de participação do total em mídia destinado pelas agências e anunciantes. O Ibope lembra que, em 2015, este formato passou ser monitorado com uma nova metodologia de coleta, o que impossibilita sua comparação com os dados do ano anterior.
Praças
No ranking dos maiores mercados do país, São Paulo continua na liderança, absorvendo 24% da verba total. Rio de Janeiro (10%), Belo Horizonte (4%), Porto Alegre (3%) e Curitiba (3%) completam a lista dos cinco maiores mercados em volume de investimento publicitário.
Agências
No ranking das agências, a YR manteve a primeira posição, intermediando o equivalente a R$ 3,6 bilhões em mídia no primeiro semestre. Em seguida, aparece a Ogilvy & Mather Brasil, com R$ 1,8 bilhão, e a agência Africa, com R$ 1,5 bilhão.

quinta-feira, 17 de março de 2016

O PT É UM TROMBADINHA COMPARADO COM A REDE GLOBO!




O PARTIDO DOS TRABALHADORES (?), O LULA, A DILMA TAMPAX E TANTOS OUTROS ACUSADOS, SÃO TROMBADINHAS COMPARADOS COM A PAU MANDADO ESTADUNIDENSE REDE GLOBO! VEJAMOS AQUI ALGUMAS DAS TRAMBICAGENS QUE DEIXARIA SATANÁS COM INVEJA!

REDE GLOBO: A MAIOR LADRA DO BRASIL, MAS AMADA PELOS BRASILEIROS!

ANTES DE SAIR PROTESTANDO OS "TROCADOS" QUE O PT, A DILMA E O LULA ROUBARAM (E ROUBARAM MESMO!), PENSE QUE HÁ ALGUÉM ROUBANDO MUITO MAIS E VOCÊ NUNCA LEVANTOU UMA BANDEIRINHA DE PROTESTO: A REDE GLOBO!


O MENSALÃO GLOBO.

Denúncia: Rede Globo sonega impostos para sustentar ‘mensalão’ no Congresso. Jornalista teve acesso a investigação da Receita Federal que revela uma dívida de R$ 615 milhões ao contribuinte brasileiro. Valores são de 2006. "Alguém calcule o quanto isso dá hoje", sugere o jornalista
A Rede Globo de Televisão deve à Receita Federal um montante superior a R$ 180 milhões em impostos não recolhidos até 2006. Com juros e multas, a dívida com o Erário superava os R$ 600 milhões na época, segundo denúncia publicada nesta quinta-feira na página do jornalista Miguel do Rosário, editor do blog O Cafezinho. Rosário teve acesso a “uma investigação da Receita Federal sobre uma sonegação milionária da Rede Globo”. 

mensalão da globo sonegação
Um dos documentos que provam a dívida da Globo com o Erário brasileiro tornou-se público nesta quinta-feira
“Trata-se de um processo concluído em 2006, que resultou num auto de infração assinado pela Delegacia da Receita Federal referente à sonegação de R$ 183,14 milhões, em valores não atualizados. Somando juros e multa, já definidos pelo fisco, o valor que a Globo devia ao contribuinte brasileiro em 2006 sobe a R$ 615 milhões. Alguém calcule o quanto isso dá hoje” sugere o jornalista.
Leia a publicação a seguir
A fraude da Globo se deu durante o governo Fernando Henrique Cardoso, com uso de paraíso fiscal. A emissora disfarçou a compra dos direitos de transmissão dos jogos da Copa do Mundo de 2002 como investimentos em participação societária no exterior. O réu do processo é o cidadão José Roberto Marinho, CPF número 374.224.487-68, proprietário da empresa acusada de sonegação.
Leia também
O mensalão da Globo é generoso em documentos que provam sua existência. Mais especificamente, 12 documentos (publicados no artigo).
Uso o termo mensalão porque a Globo também cultiva seu lobby no Congresso. Também usa dinheiro e influência para aprovar ou bloquear leis. O processo correu até o momento em segredo de justiça, já que, no Brasil, tudo que se relaciona à Globo, a (Daniel) Dantas, ao PSDB, permanece quase sempre sob sete chaves. Mesmo quando vem à tona, a operação para abafar as investigações sempre é bem sucedida. Vide a inércia da Procuradoria em investigar a ‘privataria tucana’, e do STF em levar adiante o julgamento do ‘mensalão mineiro’.
Pedimos encarecidamente ao Ministério Publico, mais que nunca empoderado pelas manifestações de rua, que investigue a sonegação da Globo, exija o ressarcimento dos cofres públicos e peça a condenação dos responsáveis.
O sindicato nacional dos auditores fiscais estima que a sonegação no Brasil totaliza mais de R$ 400 bilhões. Deste total, as organizações Globo respondem por um percentual significativo.
A informação reforça a ideia de que o plebiscito que governo e congresso enviarão ao povo deve incluir a democratização da mídia. O Brasil não pode continuar refém de um monopólio que não contente em lesar o povo sonegando e manipulando informações, também o rouba na forma de crimes contra o fisco.

AS CORRUPÇÕES DA GLOBO NO FUTEBOL


247 – As investigações do Departamento de Justiça americano e do governo da Suíça sobre o escândalo de corrupção na Fifa, que sacudiram o mundo do futebol e levaram à prisão cartolas como o brasileiro José Maria Marín, envolvem transações comerciais em que a Rede Globo, da família Marinho, atua diretamente há décadas: a compra de direitos de transmissão de eventos esportivos nacionais e internacionais.
Segundo a polícia federal (FBI) e a receita federal americanas, as investigações na Fifa tiveram início por causa do processo de escolha das Copas do Mundo de 2018, na Rússia, e de 2022, no Catar, mas foi expandida para analisar os acordos da entidade nos últimos 20 anos.
A investigação atua em várias frentes. Sobre a compra dos direitos de transmissão o esquema funcionava basicamente assim: para ter contratos de direitos de transmissão de eventos organizados pela Fifa, como a Copa da Mundo ou Copa Libertadores, empresas de marketing esportivo pagavam propinas milionárias aos dirigentes da Fifa. De posse dos direitos de transmissão, as empresas revendia-os a grupos de comunicação do mundo todo. Só em relação aos direitos de transmissão da Copa América de 2015, 2019 e 2023, a Datisa, formada formada pela Traffic, do brasileiro J. Hawilla, e duas companhias sul-americanas, aceitou pagar US$ 352,5 milhões e mais US$ 110 milhões em propinas para os presidentes das federações sul-americanas. A Rede Globo comprou da Datisa os direitos de transmissão da Copa América no Brasil.
A empresa da família midiática mais rica do planeta não é citada nas investigações do FBI. Mas faz transações com a Fifa sobre transmissão de eventos esportivos desde o mundial de 1970. Em 2012, a Globo anunciou a compra dos direitos de transmissão das Copas do Mundo de 2018, na Rússia, e de 2022, no Catar. Os valores dos negócios não são divulgados oficialmente.
Na época do anúncio, o presidente das Organizações Globo, Roberto Irineu Marinho, comemorou a compra da transmissão dos mundiais. “Por mais de 40 anos, a Globo e a Fifa desenvolveram uma parceria muito frutífera, que trouxe ótimos resultados para ambas as partes. Durante todos estes anos, a Fifa conseguiu fazer do futebol o esporte mais popular, com um grande público em todo o mundo, e a Globo se sente orgulhosa de ser parte desta história. Por esta razão, nós estamos orgulhosos de prolongar esta parceria’, afirmou Marinho.
J. Hawilla, parceiro dos Marinho
Entre a Fifa e a Globo aparece um elo de ligação que é peça chave nas investigações de corrupção das autoridades americanas: o empresário José Hawilla, dono da Traffic Group, maior empresa de marketing esportivo da América Latina.
J. Hawilla, como gosta de ser chamado, confessou à Justiça dos EUA ser culpado pelos crimes de extorsão, fraude eletrônica, lavagem de dinheiro e obstrução da justiça - ele é o único brasileiro entre os réus confessos declarados culpados pela Justiça dos EUA. Ele se comprometeu a devolver US$ 151 milhões de seu patrimônio - US$ 25 milhões deste total já teriam sido pagos no momento da confissão. O mandatário da Traffic já foi classificado diversas vezes pela imprensa nacional como "dono do futebol brasileiro".
A ligação entre J. Hawilla e a família Marinho inclui a transmissão de eventos esportivos de peso. A Traffic teve exclusividade na comercialização de direitos internacionais de TV da Copa do Mundo da Fifa no Brasil, em 2014. A empresa de J. Hawilla é a atual responsável pelos direitos de torneios como a Copa Libertadores, cujo direito de transmissão foi comprado pela Rede Globo.
Além relações perigosas no futebol, Rede Globo e J. Hawilla têm parceria comercial também nas Comunicações. Ex-repórter da área de esportes, ele se tornou afiliado da Rede Globo a partir da Traffic. Em 2003, ele fundou a TV TEM, no interior de São Paulo – hoje a maior subsidiaria do grupo, cobrindo 318 municípios e 7,8 milhões de habitantes, alcançando 49% do interior paulista. J. Hawilla também comprou, em 2009, o "Diário de S.Paulo", mas vendeu o jornal logo em seguida.
Sonegação na Copa de 2002
A Rede Globo criou um "antecedente criminal" em sua relação comercial com a Fifa, intermediada por empresas como a Traffic. A emissora disfarçou a compra dos direitos de transmissão dos jogos da Copa do Mundo de 2002, na Coreia do Sul e Japão, da qual o Brasil foi campeão.
A engenharia da Globo para disfarçar a operação envolveu dez empresas criadas em diferentes paraísos fiscais. Todas essas empresas pertencem direta ou indiretamente à Globo, segundo os documentos. O esquema funcionava de modo que o dinheiro para a aquisição dos direitos era pago através de empréstimos entre empresas pertencentes à Globo sediadas em outros países. Deste modo, a empresa brasileira TV Globo, não gastava dinheiro diretamente com a operação. Posteriormente, as empresas que detinham os direitos de transmissão eram compradas pela TV Globo.
“Essa intrincada engenharia desenvolvida pelas empresas do sistema Globo teve, por escopo, esconder o real intuito da operação que seria a aquisição pela TV Globo dos direitos de transmitir a Copa do Mundo de 2002, o que seria tributado pelo imposto de renda”, afirma em relatório do processo o auditor fiscal Alberto Sodré Zile.
A artimanha fiscal resultou na sonegação de R$ 183,14 milhões, em valores da época. Segundo a Receita Federal, somando juros e multa, o valor que a Globo devia ao contribuinte brasileiro em 2006 sobe a R$ 615 milhões.
Em 2013, o blog O Cafezinho divulgou 29 páginas do processo da Receita Federal contra a Rede Globo. O relatório divulgado comprova que as organizações Globo criaram um esquema internacional envolvendo diversas empresas em sedes por todo o mundo para mascarar a compra dos direitos da Copa de 2002. O objetivo principal seria o de sonegar os impostos que deveriam ser pagos à União em pela compra dos direitos (leia mais).
Via Bonner, Globo diz querer “futebol mais honesto”
A única manifestação da Rede Globo até o momento sobre o escândalo na Fifa foi um editorial lido por William Bonner no "Jornal Nacional" nessa quarta-feira, 27, quando a emissora ressaltou que apoia as investigações promovidas pela justiça americana.
"A TV Globo, que compra os direitos de muitas dessas competições, só tem a desejar que as investigações cheguem a bom termo e que o ambiente de negócio do futebol seja honesto. Isso só vai trazer benefícios ao público, que é apaixonado por esse esporte, e às emissoras de televisão do mundo todo, que como a Globo fazem um esforço enorme para satisfazer essa paixão", acrescentou Bonner.
No "Jornal da Globo" desta quarta (29), também disse que "não pesam acusações ou suspeitas sobre as empresas de mídia de todo o mundo que compraram desses intermediários os direitos de transmissão", caso da Globo.

Publicidade federal: Globo recebeu R$ 6,2 bilhões dos governos Lula e Dilma

Entre os jornais, O Globo foi o que mais recebeu verbas; revista Veja recebeu mais de R$ 700 milhões no período
por Redação — publicado 29/06/2015 16h36, última modificação 29/06/2015 16h37
Ricardo Stuckert/ Instituto Lula
Lula-e-Dilma
Ao todo, foram consumidos R$ 13,9 bilhões para veicular comerciais estatais no período do PT
Segundo dados divulgados nesta segunda-feira pelo UOL, a Rede Globo e as cinco emissoras de sua propriedade teriam recebido R$ 6,2 bilhões em publicidade federal durante os últimos doze anos de governo petista. A segunda maior verba foi destinada à Record: R$ 2 bilhões. De 2003 a 2014, o SBT recebeu R$ 1,6 bi, a Band, R$ 1 bi e a Rede TV! ficou com R$ 408 milhões.
O montante é ainda maior quando considerados os valores pagos às emissoras filiadas do Grupo Globo. Nessa mais de uma década a RBS recebeu R$ 63,7 milhões e a Rede Bahia, teve um faturamento de R$ 50,9 milhões. Outra, de propriedade do empresário José Hawilla, envolvido no escândalo de corrupção da Fifa, é a TV Tem, que teria faturado R$ 8,5 milhões.
Lula e Dilma investiram um total de R$ 13,9 bilhões para fazer propaganda em todas as TVs do país. A parte destinada somente às emissoras da Rede Globo representa quase metade desse total. Apesar disso, a porcentagem destinada à Globo tem sido reduzida.
Ao final do governo de Fernando Henrique Cardoso, em 2002, as emissoras globais detinham 49% das verbas estatais destinadas à propagada em TV aberta, chegaram a 59% durante o governo Lula e, no ano passado, a Globo ainda liderava com R$ 453,5 milhões investidos, mas do total, o valor representa 36%.
Outras plataformas
O meio Internet é o segundo que mais recebe dinheiro para publicidade estatal do governo. O maior portal do país, o UOL, que pertence ao Grupo Folha e recebeu 39,8 milhões de visitantes únicos em dezembro de 2014, teve R$ 14,7 milhões de faturamento. Já o G1 e o portal Globo.com que, somados, tiveram uma audiência de 34,1 milhões de visitantes únicos em dezembro de 2014, receberam R$ 13,5 milhões de verbas federais de publicidade nesse ano. O Terra e o R7 receberam 9 e 6 milhões de reais respectivamente.
Entre 2003 e 2014, os jornais impressos arrecadaram R$ 2,1 bilhões com propagadas de Lula e Dilma. Do total, R$ 730,3 milhões, 35%, foram destinados a apenas quatro publicações: O Globo, Folha de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Valor Econômico. Essas mesmas publicações recebiam um volume de receita proporcionalmente igual entre 2000 e 2002, mesmo com FHC na presidência.
O jornal impresso agraciado com a maior verba em 2014 foi O Globo: R$ 21,5 milhões.
A versão digital desses impressos que mais recebeu verba em 2014 foi o jornal O Estado de S. Paulo, seguido por O Globo, com R$ 2,7 mi e R$ 2,4, respectivamente. A Folha de S. Paulo recebeu R$ 2,1 +milhões e o Valor recebeu R$ 288 mil, apenas 10,5% do valor destinado ao Estadão.
Entre as revistas, a semanal Veja recebeu R$ 19,9 milhões --o ano em que recebeu mais foi 2009, quando o governo federal lhe destinou R$ 43,7 milhões. No total, a revista já recebeu R$ 370,9 mi de Dilma e Lula. Abaixo dela vem a Época, com R$ 168, 4 mi, a IstoÉ, com R$ 145,4 mi e a CartaCapital recebeu R$ 61 mi, 16,4% do destinado à Veja.
Somando as verbas da publicidade feita por empresas estatais, Veja recebeu mais de R$ 700 milhões nos governos Lula e Dilma.
No governo Fernando Henrique, CartaCapital recebeu R$ 2,9 milhões em verbas federais, contra R$ 89 milhões de Veja, R$ 45 milhões de Época e R$ 38 milhões da Istoé.

GLOBO É SALVA DA FALÊNCIA POR FERNANDO HENRIQUE CARDOSO (PSDB)

Em 2002, FHC salvou a Globo Cabo da falência
Em 2002, FHC salvou a Globo Cabo da falência – Crédito: Reprodução/Memória Globo
Não havia dúvidas sobre a amizade entre FHC e Roberto Marinho. Não foi à-toa que o então presidente da República salvou a Globo Cabos com empréstimo do BNDES em 2002.
O BNDES pode anunciar nos próximos dias uma operação financeira para capitalizar a Globo Cabo, a maior empresa de TV por assinatura do país, controlada pelas Organizações Globo. A operação foi revelada pela Folha no sábado e pode chegar a R$ 1 bilhão.
O banco oficial não entraria com a totalidade dos recursos. Os outros sócios da empresa -Microsoft, Bradesco, RBS e a própria Globo- também participariam do aumento de capital.
Não se trata da única operação em estudo ou andamento entre um banco oficial e o grupo empresarial carioca. O Banco do Brasil também avalia sua participação no refinanciamento da dívida das Organizações Globo. A Folha apurou que a operação poderá alcançar a cifra de R$ 2 bilhões.
O formato da operação não está definido. Uma das hipóteses mais prováveis é o Banco do Brasil atuar como uma espécie de avalista da Globo na operação de reestruturação da dívida. Com o aval do banco público, o grupo de empresas da família Marinho poderia tomar ou renovar empréstimos no exterior, seja por meio de financiamento direto ou lançamento de títulos. O Banco do Brasil não confirma e não nega oficialmente a operação.
De acordo com o que a Folha apurou, a Globo já discute o refinanciamento da dívida há cerca de dois meses. Foi com o objetivo de dar prioridade à reestruturação financeira do grupo que as Organizações Globo contrataram o economista Henri Philippe Reichstul, presidente da Petrobras até o começo deste ano.
No comando da estatal do petróleo, Reichstul foi o responsável por organizar grandes e bem-sucedidos lançamentos de títulos -captação de empréstimos- da Petrobras. A Globopar é a empresa que centraliza os investimentos das Organizações Globo em setores como telecomunicações, TV paga, internet, gravadoras e editoras.
A frente BNDES
A operação de capitalização com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, o BNDES, depende ainda da aprovação do seu quadro de técnicos. Teria papel importante no encaminhamento dos problemas financeiros das Organizações Globo, cuja dívida chega a cerca de R$ 1,8 bilhão.
A notícia da operação envolvendo um banco oficial caiu como uma bomba no mercado. A reação mais enfática veio das redes de televisão.
“É um espanto que uma operação desse vulto, envolvendo a Globo e o governo federal, aconteça a menos de três meses de uma campanha eleitoral”, diz Antonio Teles, vice-presidente da Rede Bandeirantes.
“A Globo Cabo nasceu fundada em financiamento externo. Por erros financeiros, atitudes perdulárias, o negócio desandou. Qual é a responsabilidade do povo brasileiro, a quem pertencem os fundos do BNDES, para ser chamado a salvar um naufrágio desses?”, completa Teles.
A Folha apurou que, há três meses, a Bandeirantes fez uma consulta formal ao banco sobre a disponibilidade de abertura de linhas de financiamento. Ouviu como resposta que o BNDES não opera com empresas de mídia.
O SBT, que tem dois pedidos de financiamento não atendidos no banco, não se manifesta oficialmente sobre a operação da Globo Cabo. Um dos executivos da empresa afirmou à Folha, no entanto, que a operação causa perplexidade, pois o país estaria pagando a conta de erros empresariais.
A Globo Cabo não se manifesta sobre a operação. O Ministério do Desenvolvimento, a quem o BNDES é subordinado, dá aval à negociação, mas não se manifesta oficialmente sobre o assunto.
Dono de cerca de 5% das ações da Globo Cabo, o BNDES pode fazer um aporte de capital maior do que a sua participação atual na empresa.
“Todos os sócios devem participar da capitalização, mas não necessariamente nas mesmas proporções”, revelou à Folha um dos envolvidos na negociação.
Segundo o jornalista Paulo Henrique Amorim, do UOL News, o banco entrará com R$ 800 milhões na operação.
Ao mesmo tempo em que os acionistas discutem a injeção de dinheiro na Globo Cabo, seus representantes tentam renegociar os débitos que a empresa tem com instituições privadas.
Com 35.000 km de cabos instalados e 1,5 milhão de assinantes, a Globo Cabo investiu o equivalente a US$ 2 bilhões no negócio, mas só teve prejuízos até agora.
Em outubro passado, Roberto Irineu Marinho, vice das Organizações Globo, admitiu que poderia vender uma parte da empresa, perdendo o controle acionário.
Grande parte do crescimento da empresa foi financiada com empréstimos externos. As desvalorizações cambiais que aconteceram a partir de 99 tornaram o endividamento da empresa praticamente insuportável. A maior parte da dívida de R$ 1,8 bilhão está atrelada ao dólar.
Para agravar o quadro, o desempenho do mercado de TV por assinatura está aquém do esperado. O total de assinantes no país é de 3,6 milhões de pessoas, quando se previa, pelo menos, o dobro.
Fonte: Folha de S.Paulo 12/03/2002


FALÊNCIA DA REDE GLOBO!


Segundo empresa de auditoria no ramo financeiro, dívida da Rede Globo ultrapassa os três bilhões de reais

Por redação, texto por Romero

A astronômica dívida da Globo, segundo relatório da Price Waterhouse Coopers – Auditores Independentes, assinado por William J.N. Graham, no início de 2002 era de TRÊS BILHÕES, QUINHENTOS E OITENTA E TRÊS MILHÕES DE DÓLARES. Ou seja, mais de DEZ BILHÕES de reais. Onde as três maiores empresas devedoras são: Globopar, Globo Cabo, Net Sat, que representam cerca de 90% da dívida e onde aparece com destaque até a irresponsável e perdulária Editora Globo, de crônico e sistemático prejuízo, com cerca de 3% do total da dívida.
A única empresa da Rede Globo que, com muita dificuldade, poderia fazer frente a esta fabulosa dívida, e que é lucrativa de verdade, é a TV Globo. Entretanto, nem a TV Globo, com seus seiscentos milhões de dólares anuais, pouco ou nada poderia fazer para salvar o Império Globo da falência. Pois se dos seiscentos milhões de dólares a TV Globo reservar 120 milhões por ano, cerca de 20% (vinte por cento), para amortizar principal e juros, levaria mais de trinta anos para amortizar a fantástica dívida que sufoca e mata a Globo aos poucos.
Vale repetir, com recursos próprios é inimaginável a Globo saldar tão astronômica dívida. Só o governo, através do BNDES, Caixa Econômica, Banco do Brasil, Banco Central, fundos orçamentários e demais verbas públicas é que podem salvar a Globo da irremediável falência.
Mas como a Globo chegou a este ponto? A Globo não é competente?
Arrogância, burrice, arrogância, burrice, arrogância e administração ruinosa e irresponsável. Estes foram os fatores que levaram a Globo ao estado à beira da falência.
Gênios incompetentes de plantão, cujo único predicado é a arrogância, imaginaram um golpe “formidável” de dominar o Brasil inteiro pelo sistema de transmissão a cabo, sufocando e solapando, assim, os demais meios de comunicação do país.
Eu ri muito quando soube dos megalomaníacos planos da Globo, e disse que a Globo iria trabalhar com tecnologia ultrapassada (cabo) e que iria ficar com o cabo (?) preso no poste ao tentar cabear o Brasil inteiro nesta loucura que só um gênio incompetente, arrogante e irresponsável poderia imaginar.
Não deu outra. Foi o maior fracasso da história da televisão no mundo. Até mesmo Bill Gates, que num primeiro momento cogitou participar do empreendimento faraônico, quando viu a loucura que a Globo estava se metendo estacionou em 3% a sua participação e deixou a Globo se esborrachar sozinha neste delírio de faraó tupiniquim.
Encalacrada com uma fabulosa e irresponsável dívida para viabilizar o delírio do domínio do país e dos meios de comunicações pela tv a cabo, a Globo, correndo desesperadamente atrás de dinheiro, viu no BNDES a saída mais rápida e viável para a sua aflição. Mas como sempre com artifícios e ilegalidades, a começar pelo fato do BNDES não poder se relacionar com a Globo Cabo pois a legislação não permite associação do BNDES com empresa de telecomunicação. Mas ardilosamente, fraudulentamente, a Globo Cabo está registrada como empresa de tecnologia e não como empresa de telecomunicação, que de fato é.
Choveram denúncias e mais denúncias contra a participação do BNDES na operação para salvar a Globo da falência, e em meio a uma seara desordenada de denúncias e oposições à questão BNDES, o jornalista Hélio Fernandes, em 14/03/2002, na Tribuna de Imprensa foi categórico: “Deveriam ouvir Roméro Machado, que publicou o imperdível “Afundação Roberto Marinho”. Ali está contada de forma irrespondível, a força que a Organização sempre teve na Justiça”. E, de fato, numa seqüência de denúncias sérias e fundamentadas foi colocado nos meios de comunicação a impossibilidade e a ilegalidade da associação Globo / BNDES. E com isso a operação salvação da Globo foi parcialmente abortada. Mas é bom manter os olhos permanentemente abertos, pois a Globo continua com uma dívida impagável e o governo (federal, principalmente) vive sempre debaixo de muitos escândalos. E numa dessas a Globo faz o que sempre fez… negocia favores de salvação do PT em troca de sua própria salvação.

Romero trabalhou como Auditor na Rede Globo e Controller da Fundação Roberto Marinho e é autor do livro: “Afundação Roberto Marinho. ”


LINK COM VÁRIOS ARTIGOS MOSTRANDO OS PODRES DA EMISSORA QUE SE ACHA NO DIREITO DE LIDERAR OS PROTESTOS CONTRA CORRUPÇÃO NO BRASIL:
https://fichacorrida.wordpress.com/category/rede-globo-de-corrupcao/

 http://limpinhoecheiroso.com/2013/12/11/credores-norte-americanos-pedem-falencia-de-empresa-da-rede-globo-nos-eua/

quarta-feira, 16 de março de 2016

DILMA, LULA E O PT ROUBARAM, MAS TEM GENTE QUE ROUBOU MUUUITO MAIS E O POVO NUNCA PROTESTOU!




 

 "CONDUTORES CEGOS! QUE COAIS UM MOSQUITO  ENGULIS UM CAMELO"!

ANDRÉ DE MORAES: Eu não não defendo partido ou candidato algum, tenho nojo da política! Mas ser bonequinho de fantoche nas mãos dos globalistas, dos senhores do mundo através da Rede Globo pau mandada, é demais, e isso eu não serei!
O povo, o burro que carrega todos os prejuízos nas costas, está fazendo o jogo dos senhores desse mundo e caindo de pau em cima do Lula, Dilma e do PT. Que esses roubaram a torto e a direita, isso roubaram, é vidente, é claro, é inegável, mas perto dos "camelos" que o povo está engolindo o PT é uma menininha!
Passei raiva com os protestos financiados pelo r$ 0,20 e passei mais raiva ainda quando, ao invés de serem r$ 0,20 foram r$ 0,50 e esse mesmo povo burro não abriu a boca pra nada!
E agora o povo está enfurecido, se achando com todos os direitos do mundo, querendo, a qualquer custo, por o Lula e Dilma na cadeia e demonizar (de novo) o PT.
Mas só esses desgraçaram o Brasil? Claro que não! Tem muita gente grande por aí que precisa ser mencionado e o povão nem sequer lembra!
Para lembrarem vou disponibilizar a lista e os valores dos roubos, assim como os nomes dos bois, aliás, dos camelos que o povo está engolindo à seco:
 
 SONEGAÇÃO DE IMPOSTOS É O MAIOR ESQUEMA DE CORRUPÇÃO DO BRASIL, SABIA?
http://www.brasildefato.com.br/node/33330

Apenas em 2015, já foram sonegados R$ 426 bilhões, valor que supera desvios na Petrobras, pagamento do Bolsa Família e ajuste fiscal.
30/10/2015
Pedro Rafael Vilela,
De Brasília (DF)

É muito comum a afirmação de que no Brasil a carga tributária é alta, mas pouco se fala sobre o tamanho do rombo nas contas públicas causado pela sonegação de impostos. Levantamento do Sindicato Nacional dos Procuradores da Fazenda Nacional (Sinprofaz) indica que o país soma mais de R$ 1,162 trilhão em débitos tributários inscritos na Dívida Ativa da União. É tudo aquilo que o Estado brasileiro tem que receber judicialmente de pessoas físicas e jurídicas que deixaram de recolher seus impostos.
A maior parte desses débitos (62% ou R$ 723,3 bilhões) são de cerca de 12 mil empresas. O segmento que lidera o ranking dos maiores débitos tributários do país é o industrial, seguido pelo comércio e atividades financeiras.
“Quem sonega imposto no Brasil não são pobres, trabalhadores e classe média. Esses pagam na fonte, o salário já vem descontado, ou então pagam imposto indireto quando adquirem um bem ou quando pagam um serviço. A sonegação é praticada basicamente por grandes empresas, que têm verdadeiros exércitos de advogados pra driblar a legislação e deixar e recolher tributos devidos”, explica João Sicsú, professor do Instituto de Economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).
Os dados do levantamento do Sinprofaz revelam que débitos tributários representam mais de 580 vezes os valores desviados da Petrobras, segundo a Operação Lava Jato, oito mil vezes os valores apurados no mensalão e mais de 60 vezes as cifras citadas na Operação Zelotes.

Sonegômetro
Apesar dos valores astronômicos da sonegação, apenas cerca de 1% é recuperado aos cofres públicos. “Isso é muito pouco. Recuperamos por ano cerca de R$ 13 bilhões. Um investimento maior de cobrança dessa dívida poderia fazer o orçamento da União crescer muito”, sustenta João Sicsú, da UFRJ.
Foto: Marcello Casal Jr.
A campanha Quanto “Custa o Brasil pra Você?”, do Sinprofaz, mantêm o painel Sonegômetro, que registra, segundo a segundo, o montante sonegado no Brasil. Em outubro, esse valor já passou dos R$ 426 bilhões e vai chegar R$ 500 bilhões até o fim do ano, o que representa mais de 10% da economia do país.
Segundo o sindicato dos procuradores da Fazenda Nacional, “cerca de 80% [desse valor] passou por mecanismos sofisticados de lavagem de dinheiro”. 
Em recente entrevista, o presidente do Sinprofaz, Achilles Frias, comparou os R$ 426 bilhões em impostos sonegados com a meta de ajuste fiscal de R$ 66 bilhões de reais perseguido pelo governo federal. “Se analisarmos os números trazidos pelo painel da sonegação verificamos como é injusta e desnecessária toda essa recessão imposta à população”, avaliou.
“O que gasta com saúde, educação, habitação, Bolsa Família e seguro-desemprego não chega a R$ 300 bilhões por ano. E o Brasil, só esse ano, além de pagar R$ 500 bilhões em juros da dívida pública para banqueiros e empresários, ainda vai deixar de cobrar outras centenas de bilhões em impostos sonegados. Nós precisamos repensar os gastos do governo, de arrecadação, mas também de cobrança”, argumenta o professor de economia João Siscú. 







 SITE: TOP10.ORG
http://top10mais.org/top-10-maiores-crimes-de-corrupcao-no-brasil/

A revista “Mundo Estranho” da editora Abril trouxe dados preocupantes a respeito dos últimos e maiores escândalos de corrupções presente no governo do Brasil. Os valores dos rombos já surpreendem por si. Mas a revista não relacionou o maior de todos, ao qual a redação do “The Brazilian Post” chama a atenção. Em 1997, no governo de FHC, houve escândalo de corrupção envolvendo a venda da Vale do Rio Doce e a Telebras que deu um prejuízo de R$100 bilhões aos cofres públicos.
Confira o Top 10 nesse contexto:

 

Top 10 maiores crimes de corrupção do Brasil

TOP Crime/Escandalos Ano Rombo
10° Mensalão 2005 R$ 55 milhões
Operação sanguessuga 2006 R$ 140 milhões
Sudam 2001 R$ 214 milhões
Operação Navalha 2007 R$ 610 milhões
Anões do Orçamento 1993 R$ 800 milhões
TRT/SP 1999 R$ 923 milhões
Banco Marka 1999 R$ 1.8 bilhões
Vampiros da Saúde 2004 R$ 2.4 bilhões
Banestado 2003 R$ 42 bilhões
Privataria Tucana 1997 R$ 100 bilhões






FONTE: REVISTA MUNDO ESTRANHO.

OBS.: A REVISTINHA “MUNDO ESTRANHO” SÓ CITOU O PT NA ROUBALHEIRA, OS DEMAIS ROUBOS ELA NÃO DEU OS NOMES DOS “CAMELOS”!
COMO EU NÃOA TENHO RABO PRESO COM PARTIDO ALGUM, DEI O NOME DOS "CAMLOS", ESTÃO EM VERMELHO.

http://mundoestranho.abril.com.br/materia/os-maiores-escandalos-de-corrupcao-do-brasil

 por Claudia Lima | Edição 122

 Por causa dela, perdemos R$ 12 bilhões em investimentos privados em 2011 – o equivalente a R$ 1,2 mil pagos anualmente por cada trabalhador brasileiro. Conheça os casos mais notórios dos últimos 20 anos*

10. Me dá um dinheiro aí 

CASO: Máfia dos fiscais 
ROMBO: R$ 18 milhões
QUANDO: 1998 e 2008
ONDE: Câmara dos vereadores e servidores públicos de São Paulo.

Comerciantes e ambulantes (mesmos aqueles com licença para trabalhar) eram colocados contra a parede: se não pagassem propinas, sofriam ameaças, como ter as mercadorias apreendidas e projetos de obras embargados. O primeiro escândalo estourou em 1998, no governo de Celso Pitta. Dez anos mais tarde, uma nova denúncia deu origem à Operação Rapa.

9. Olha essa mesada!
CASO: Mensalão (PT)
ROMBO: R$ 55 milhões
QUANDO: 2005
ONDE: Câmara Federal

 10

Segundo delatou o ex-deputado federal Roberto Jefferson, acusado de envolvimento em fraudes dos Correios, políticos aliados ao PT recebiam R$ 30 mil mensais para votar de acordo com os interesses do governo Lula. Dos 40 envolvidos, apenas três deputados foram cassados. A conta final foi estimada em R$ 55 milhões, mas pode ter sido muito maior.

8. Siga aquela ambulância
CASO: Sanguessuga (PSDB)
ROMBO: R$ 140 milhões
QUANDO: 2006
ONDE: Prefeituras e Congresso Nacional

 sanguesugas

Investigações apontaram que os donos da empresa Planam pagavam propina a parlamentares em troca de emendas destinadas à compra de ambulâncias, superfaturadas em até 260%. Membros do governo atuavam nas prefeituras para que empresas ligadas à Planam ganhassem as licitações. Nenhum dos três senadores e 70 deputados federais envolvidos no caso perdeu o mandato.

7. Pobre Amazônia
CASO: Sudam (PSDB)
ROMBO: R$ 214 milhões
QUANDO: 1998 e 1999
ONDE: Senado Federal e União

 8

Dirigentes da Superintendência de Desenvolvimento da Amazônia desviavam dinheiro por meio de falsos documentos fiscais e contratos de bens e serviços. Dos 143 réus, apenas um foi condenado e recorre da sentença. Jader Barbalho, acusado de ser um dos pivôs do esquema, renunciou ao mandato de senador, mas foi reeleito em 2011.

6. Navalha na carne
CASO: Operação Navalha (DEM)
ROMBO: R$ 610 milhões
QUANDO: 2007
ONDE: Prefeituras, Câmara dos Deputados e Ministério de Minas e Energia

7

Atuando em nove estados e no Distrito Federal, empresários ligados à Construtora Gautama pagavam propina a servidores públicos para facilitar licitações de obras. Até projetos ligados ao Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e ao Programa Luz Para Todos foram fraudados. Todos os 46 presos pela Polícia Federal foram soltos.

5. Bilhete premiado
CASO: Anões do orçamento (DEM)
ROMBO: R$ 800 milhões
QUANDO: De 1989 a 1992
ONDE: Congresso Nacional

6

Sete deputados (os tais “anões”) da Comissão de Orçamento do Congresso faziam emendas de lei remetendo dinheiro a entidades filantrópicas ligadas a parentes e cobravam propinas de empreiteiras para a inclusão de verbas em grandes obras. Ficou famoso o método de lavagem do dinheiro ilegal: as sucessivas apostas na loteria do deputado João Alves.

4. Cadê o fórum?
CASO: TRT de São Paulo (PMDB)
ROMBO: R$ 923 milhões
QUANDO: De 1992 a 1999
ONDE: Tribunal Regional do Trabalho de São Paulo

 5

O Grupo OK, do ex-senador Luiz Estevão, perdeu a licitação para a construção do Fórum Trabalhista de São Paulo. A vencedora, Incal Alumínio, deu os direitos para o empresário Fabio Monteiro de Barros. Mas uma investigação mostrou que Fabio repassava milhões para o Grupo OK, com aval de Nicolau dos Santos Neto, o Lalau, ex-presidente do TRT-SP.

3. Precinho camarada
CASO: Banco Marka (PSDB)
ROMBO: R$ 1,8 bilhão
QUANDO: 1999
ONDE: Banco Central
4

Com acordos escusos, o Banco Marka, de Salvatore Cacciola, conseguiu comprar dólar do Banco Central por um valor mais barato que o ajustado. Uma CPI provou o prejuízo aos cofres públicos, além de acusar a cúpula do BC de tráfico de influência, entre outros crimes. Cacciola foi detido em 2000, fugiu para a Itália no mesmo ano e, preso em Mônaco em 2008, voltou ao Brasil deportado.

2. Chama o Van Helsing
CASO: Vampiros da Saúde (PSDB)
ROMBO: R$ 2,4 bilhões
QUANDO: De 1990 a 2004
ONDE: Ministério da Saúde

3

Empresários, funcionários e lobistas do Ministério da Saúde desviaram dinheiro público fraudando licitações para a compra de derivados do sangue usados no tratamento de hemofílicos. Propinas eram pagas para a Coordenadoria Geral de Recursos Logísiticos, que comandava as compras do Ministério, e os preços (bem acima dos valores de mercado) eram combinados antes. Todos os 17 presos já saíram da cadeia.


1. Manda pra fora
CASO: Banestado (PSDB)
ROMBO: R$ 42 bilhões
QUANDO: De 1996 a 2000
ONDE: Paraná

2

Durante quatro anos, cerca de US$ 24 bilhões foram remetidos ilegalmente do antigo Banestado (Banco do Estado do Paraná) para fora do país por meio de contas de residentes no exterior, as chamadas contas CC5. Uma investigação da Polícia Federal descobriu que as remessas fraudulentas eram feitas por meio de 91 contas correntes comuns, abertas em nome de “laranjas”. A fraude seria conhecida por gerentes e diretores do banco. Foram denunciados 684 funcionários - 97 foram condenados a penas de até quatro anos de prisão. O estado obteve o retorno de arrecadação tributária de cerca de R$ 20 bilhões.

*Valores estimados e atualizados pela inflação
Fontes: Andre Carraro, professor do departamento de economia da Unversidade Federal de Pelotas e especialista em corrupção, Museu da Corrupção, Controladoria-Geral da União, ONG Transparência Brasil, site Consultor Jurídico, Folha de S.Paulo e O Estado de S.Paulo

MENSALÃO TUCANO.

 Em 2005 veio à tona o escândalo que ficou conhecido como "mensalão tucano". De acordo com o Ministério Público, o mensalão tucano foi um esquema de desvio de verbas do governo de Minas Gerais para a campanha do então candidato à reeleição Eduardo Azeredo (PSDB), em 1998. De acordo com as investigações, o principal operador do esquema era o publicitário Marcos Valério, o mesmo do mensalão do PT. Azeredo sempre negou as acusações, da mesma forma como os demais réus, que respondem ao processo na 1ª instância.

OPERAÇÃO SATIAGRAHA. 

 A operação da Polícia Federal comandada pelo então delegado Protógenes Queiroz prendeu, entre outros, o banqueiro Daniel Dantas, do Banco Opportunity, e o ex-prefeito de São Paulo Celso Pitta (então no PTB). A operação investigou crimes de corrupção, desvio de verbas públicas e lavagem de dinheiro cometidos para abastecer o esquema do mensalão.

ATOS SECRETOS DO SENADO

Os atos secretos do Senado eram medidas administrativas tomadas pela cúpula da Casa e que não eram divulgados. Em 2009, uma comissão detectou pelo menos 663 atos secretos. Parte deles foi usada para nomear pessoas ligadas ao então presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), e a outros políticos. Uma comissão responsável pela análise do caso concluiu que os atos foram resultado de "falha humana" e que não poderiam ser anulados. Os principais apontados como responsáveis pelo caso, o ex-diretor-geral do Senado Agaciel Maia (PTC), o ex-diretor de recursos humanos do Senado João Carlos Zoghbi e o ex-chefe do serviço de publicação do Senado Franklin Paes Landim foram condenados por improbidade administrativa pela Justiça Federal em outubro de 2014, mas ainda cabe recurso das sentenças. 

CASO ERENICE
 
Em setembro de 2010, uma reportagem publicada pela revista "Veja" afirmava que então ministra da Casa Civil, Erenice Guerra, teria atuado em favor de empresas para viabilizar negócios junto aos Correios. 
Essas empresas teriam utilizado os serviços de uma consultoria comandada pelo filho da então ministra Israel Guerra. Duas semanas depois, o jornal "Folha de S. Paulo" trouxe relato de empresários que confirmaram a existência de lobby dentro da Casa Civil e acusam uma empresa em nome de um dos filhos da então ministra, Saulo Guerra, de cobrar dinheiro para conseguir a liberação de empréstimos junto ao BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social).
Erenice, que era apontada como amiga pessoal da então candidata à Presidência da República Dilma Rousseff (PT), nega as acusações, mas acabou exonerada. O escândalo veio à tona em pleno ano eleitoral. Em julho de 2012, o inquérito que investigava o suposto caso de tráfico de influência foi arquivado pela Justiça Federal por falta de provas.
Escândalo no Ministério dos Transportes
Uma série de reportagens publicadas em 2011 indicaram irregularidades como superfaturamento em obras sob responsabilidade do Ministério dos Transportes, então comandado pelo senador Alfredo Nascimento (PR-AM).
Segundo as reportagens, parte dos valores superfaturados eram direcionados aos cofres do PR e de políticos da sigla. Menos de uma semana depois das reportagens começarem a ser publicadas, Alfredo Nascimento deixa o cargo. Segundo auditores da CGU (Controladoria Geral da União), pelo menos R$ 760 milhões teriam sido desviados pelo esquema.
Em agosto de 2013, PGR (Procuradoria Geral da República) pede a abertura de um inquérito no STF contra Nascimento e o ex-deputado federal Valdemar Costa Neto, até então apontados como líderes do esquema.
Em dezembro de 2013, a PGR pede o arquivamento do inquérito alegando falta de provas contra a dupla.

CASO CACHOEIRA
Em fevereiro de 2012, a operação Monte Carlo da Polícia Federal prendeu o empresário Carlinhos Cachoeira, apontado como operador de um esquema que incluía a exploração ilegal do jogo do bicho e a intermediação de contratos de empresas privadas com órgãos públicos. Entre as empresas beneficiadas pelo esquema estaria a empreiteira Delta.
As gravações feitas pela PF revelaram também que Cachoeira mantinha estreitas ligações com políticos tanto governistas quanto de oposição, entre eles o ex-senador Demóstenes Torres, então no DEM.
Após as revelações de que Torres atuaria em favor dos negócios de Cachoeira, o então senador é cassado pelo Senado por quebra de decoro parlamentar. Em dezembro de 2012, Cachoeira foi condenado a 39 anos e oito meses de prisão por crimes como corrupção ativa, formação de quadrilha e peculato.
Como a cabe recurso em relação à decisão, Cachoeira conseguiu um habeas corpus para responder ao restante do processo em liberdade.

Máfia do ISS

Em outubro de 2013, uma operação do Ministério Público de São Paulo e da CGM (Controladoria-Geral do Município) prendeu quatro servidores municipais suspeitos de fazer parte de um esquema de desvio de recursos referentes ao ISS (Imposto sobre Serviços) na capital paulista.
De acordo com as investigações, um grupo de servidores cobrava propina de empreiteiras em troca do abatimento de dívidas fiscais. Estimativas indicam que os desvios tenham chegado a R$ 500 milhões.
Segundo as investigações, o esquema seria comandado pelo ex-subsecretário da Receita Municipal de São Paulo Ronilson Bezerra Rodrigues. Pelo menos 11 pessoas já foram denunciadas pelo esquema e os processos ainda tramitam na Justiça.

Cartel do Metrô de São Paulo

Em maio de 2013, a empresa alemã Siemens revelou a suposta existência um cartel que fraudava licitações para a venda e manutenção de metrôs e trens metropolitano de São Paulo durante as gestões dos governadores tucanos Mário Covas, José Serra e Geraldo Alckmin.
Segundo a denúncia, a empresa reconheceu ter pago propinas a autoridades dos governos do PSDB. O cartel teria ainda a participação de empresas como Alstom, Bombardier, CAF e Mitsui. Covas morreu em abril de 2001, vítima de um câncer. Serra e Alckmin negam participação no esquema.
Executivos das empresas envolvidas são denunciados pelo Ministério Público. Em fevereiro de 2015, a Justiça de São Paulo bloqueou os bens do conselheiro do TCE-SP (Tribunal de Contas do Estado de São Paulo) Robson Marinho (foto). Investigações indicam que ele teria recebido propinas da empresa Alstom.


1

Maior escândalo de corrupção da História do Brasil foi a privataria tucana

Os meios de comunicação, com seu apoio incondicional às privatizações, foram um dos responsáveis pelo prejuízo de R$ 2,4 bilhões que teve o povo brasileiro


Antonio Lassance* Luciano Pereira / Aloysio Nunes - Flickr
O país teve um prejuízo de pelo menos R$ 2,4 bilhões com as privatizações do patrimônio público dado a preço de banana a grandes corporações privadas, durante o governo FHC.

A estimativa foi feita no clássico estudo escrito pelo jornalista Aloysio Biondi, que, em seu livro "O Brasil privatizado", afirma: 
"O governo diz que arrecadou 85,2 bilhões de reais com as privatizações. Mas contas “escondidas” mostram que há um valor maior, de 87,6 bilhões de reais, a ser descontado daquela 'entrada de caixa'"(p. 68)  


José Cruz / EBC
A obra essencial de Biondi, que chegou a vender mais de 140 mil cópias, acaba de ganhar uma nova edição na coleção História Agora, da Geração Editorial  (256 págs, R$ 29,90).
O cálculo dos prejuízos das privatizações não considera os possíveis ganhos e valorizações posteriores, cujos montantes Biondi reputa incalculáveis. 
As privatizações da mineradora estatal Vale do Rio Doce, em 1997, e do sistema Telebrás, em 1998, foram as mais emblemáticas e vultosas. 
Além de as empresas terem sido subavaliadas, foram entregues com dinheiro em caixa aos que as arremataram em leilões. É como alguém vender uma casa com dinheiro no cofre.

Wilson Dias / EBC
A análise de Biondi expõe a importância crucial dos meios de comunicação para criar a indiferença ou mesmo incitar o apoio da população à venda desenfreada das estatais, feita por aquele governo:
"Sem sombra de dúvida, os meios de comunicação, com seu apoio incondicional às privatizações, foram um aliado poderoso. Houve a campanha de desmoralização das estatais e a ladainha do 'esgotamento dos recursos do Estado'." (p. 21).
O alerta de Biondi é absolutamente atual, haja vista a sanha desencadeada contra toda a empresa Petrobrás em um escândalo no qual o acusado por falcatruas está preso e indiciado por seus crimes, bem diferente do padrão anterior de conivência dos governos diante da corrupção.


A comparação que pode ser feita pela tabela acima, mostrando os números de cada escândalo, evidencia a deliberada desproporcionalidade conferida ao mensalão e às denúncias contra a Petrobrás em relação a outros casos.

 
O ódio insuflado pelo mercado contra o atual governo Dilma se presta ao infame papel de distorcer a compreensão sobre essa página infeliz de nossa história.
O livro de Biondi, relançado, nos dá a chance de nunca esquecer o que fizeram com o Brasil, para jamais permitir que isso se repita.

Referências Bibliográficas: BIONDI, Aloysio. O Brasil Privatizado: um balanço do desmonte do Estado. 11ª edição. São Paulo: Editora da Fundação Perseu Abramo, 1999.

(*) Antonio Lassance é cientista político.